Semana do Trânsito no Ecotidiano

080920_transito_brasilia3

Há uma semana, no dia 16, a manchete do Correio dizia que o brasiliense já enfrenta 60km de engarrafamento diariamente. A matéria comentava que o principal motivo era o aumento da frota de carros, que continua crescendo mesmo em tempos de crise. Alguns entrevistados deram dicas para não se estressar no trânsito. O secretário de transportes comentou sobre as obras de expansão de algumas pistas e reclamou que a maioria dos carros geralmente leva uma pessoa apenas (e ele, será que oferece carona a alguém?). Gostei da observação do professor Paulo César Marques, da UnB, sobre a falta de incentivo à carona solidária: “atualmente, há um desestímulo. Com o combate aos veículos piratas, as pessoas ficam com medo de levar colegas e serem mal interpretados”. O professor, inclusive, dá o exemplo e vai para o trabalho de bicicleta. Bem, só essa matéria renderia assunto pra uma semana de comentários no blog, mas em vez de mergulhar em reflexões diversas, pensei em postar, a cada dia, o comentário de uma pessoa que encontrou uma alternativa qualquer, em qualquer lugar do mundo. Se algum leitor quiser mandar um comentário, fique à vontade: basta contar uma experiência. Não quero comentar reportagens sobre as bicicletas na Holanda ou na China, nem falar do metrô em Paris. Quero história experimentada, passada pelo filtro mental e sensível de cada um. Por que isso? Porque eu observo uma cultura do automóvel em Brasília. Como a cidade não favorece a vida dos pedestres e o transporte público deixa a desejar, o carro é tido como um bem extremamente necessário. A frase “não dá pra viver sem carro em Brasília” é uma máxima por aqui, tida quase como uma verdade, algo inquestionável. E qual a conseqüência de um pensamento como esse? Observo que esse pensamento engessado é perigoso porque alimenta soluções tradicionais, engessadas também. Daí, as soluções alternativas, como o estímulo ao uso da bicicleta, etc, acabam sendo vistas com desconfiança e preconceito. A minha idéia essa semana é colher depoimentos diversos que mostrem novas formas de pensar a locomoção no meio urbano. Espero que a gente possa se divertir um pouco e se deixar admirar pelo exemplo de algumas pessoas ao nosso redor.

Anúncios

2 Respostas so far »

  1. 1

    Clarice said,

    Aninha, separei para você aqui em casa (talvez já tenhas) a Revista do Correio deste final de semana, fala justamente sobre meios alternativos de transporte. Daí tem um cara que mora em águas claras e vai de bike para o plano, na verdade, ele pega o metrô com a bike (a bike dele dobra!!!) e depois segue pedalando….a reportagem dá os numeros em km de ciclovias construídas em Bsb e e pos planos futuros, além de comparar com capitais internacionais onde os ciclistas são mais respeitados. Eu queria adquirir esse hábito de pedalar para os lugares mesmo, bom, ainda tenho que comprar uma bike (e um capacete tb). E outra coisa que seria muito útil, como você bem sabe, é o estabelecimento de bons vestiários nos locais de trabalho.
    beijo


Comment RSS · TrackBack URI

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: